Saudade…

saudade

“As pessoas são sozinhas porque construíram muros ao invés de pontes.”
J.F.Newton

Desde o final do último século, as fronteiras do Teatro de Animação tem sido borradas e seus limites expandidos no encontro com diversas outras linguagens artísticas. A ruptura com as formas tradicionais do Teatro de Marionetes está expressa na pluralidade de novos formatos e técnicas que compõem o que hoje se conhece como Teatro de Formas Animadas Contemporâneo. Neste contexto, nasce no Brasil o Teatro Lambe Lambe.

A técnica criada em 1989 pelas artistas nordestinas Denise dos Santos e Ismine Lima – inspiradas nos antigos fotógrafos de rua denominados “Lambe-Lambe” – consiste basicamente em apresentar um espetáculo de curta duração que se utiliza de elementos animados dentro de uma caixa para apenas um(a) espectador(a) por vez. Hoje, diversos grupos de Teatro de Formas Animadas do Brasil e do mundo tem se apropriado desta linguagem e ampliado suas possibilidades cênicas.

O caráter exclusivo da apresentação estimula a curiosidade do público que anseia por desvendar o pequeno segredo que a caixa guarda. A proximidade que o Lambe Lambe promove entre o(a) espectador(a), a obra e o artista-manipulador provoca uma fissura no espaço-tempo da vida cotidiana e convida o público a um mergulho no universo das memórias, dos sonhos e dos sentimentos íntimos.

Neste sentido está voltada a concepção de “Saudade…”, na construção de uma ponte entre o mistério de um curto espetáculo poético e a subjetividade de cada espectador(a). Para tanto, a criação opta pela simplicidade dos elementos cênicos. Conjugam-se em cena o papel como matéria bruta transformada em marionete e cenário, a manipulação precisa e a música original instaurando o que Lima conceitua como “um espaço para o olhar”.

A palavra “Saudade”

Saudade é uma palavra do português que não tem uma tradução direta em outro idioma. Ela descreve o sentimento de nostalgia que mistura a felicidade e a tristeza e que é provocado pela distância e ausência de algo o alguém. Ela é causada pela vontade de reviver experiências, situações ou momentos já passados.

Sinopse

Construída somente pelo jogo entre as ações do boneco manipulado com a trilha sonora e com o espaço de dentro da caixa do lambe lambe a dramaturgia apresenta um ser solitário que percebe um grande buraco no peito. Buscando a razão de sua solidão numa carta, o boneco se vê entre ficar e partir, entre a espera do retorno e a busca deste motivo, desta pessoa, deste tempo, momento ou lugar que alimentam e saciam esta falta: sua saudade.

Ficha técnica

Criação e manipulação: Pedro Cobra

Música original: Felipe Zacchi

Assistência técnica: Larissa Miyashiro